Metodologia de Ensino

     

    “Não dê o peixe, ensine a pescar.” - Este provérbio chinês, creio, contém a essência para definir educação com propriedade e precisão. Ele fala de processos e resultados; na educação, não podemos esperar resultados se desconsiderarmos processos. Quem coloca seus olhos no resultado desprezando os processos é incauto quanto à educação. “Ensinar a pescar” é árduo: precisa-se tratar das varas, ajustar os nós das redes, calibrar o peso do anzol à densidade das linhas (…), precisa-se saber das variantes lunares, dos movimentos das águas, das preferências dos cardumes (…), precisa-se sentir o fisgar do peixe e entender a matemática da luta entre esperar ou puxar, entre dar a linha ou a tensão que o vence; precisa-se saber tirar o peixe da água. “Entregar o peixe” economiza as energias, diminui os riscos, poupa os esforços e produz uma anti-geração: anti-ética; anti-cidadania; antidemocrática; anti-vida. Acostumados com as sardinhas e os atuns entregues nas belas latas do saber compartimentado das linhas de produção da pósmodernidade, nossos filhos sangraram as mãos quando os anzóis lhes foram entregues no Balão Mágico. Acostumados com os ares refrigerados do refeitório onde os peixes lhes eram entregues cozidos ou assados, tiveram ardores e ardências até calejarem a pele suficientemente para enfrentarem o sol, o sal, a vara e retirarem, por si e para si, os peixes do saber. Escolas, via de regra, confundem o infantil com o incapaz; entregam os peixes, e não as varas. Muitas vezes se esquecem de ouvir o grito interior de cada criança; grito expresso poeticamente por Adélia Prado quando escreveu: “Não quero a faca nem o queijo, quero a fome”. Escolhi e escolho a Escola Filosofal Balão Mágico, visto que tem provocado a fome em meus filhos; a fome pelo conhecimento, pela verdade e pela vida. 
     

    (Depoimento dos pais Daniel Aldo Soares, professor doutor em Educação, e Cristiana Soares, professora de Inglês)

     

    Nossa Proposta

    Nossa escola procura oferecer ensino qualificado e atualizado, atendendo às necessidades da sociedade atual. Em nosso currículo consta, além das disciplinas exigidas por lei, estudo de Língua Estrangeira Moderna (Inglês), Ética e Cidadania, Empreendedorismo, Natação e Formação Religiosa. Oferecemos aulas de reforço no contraturno, aos alunos com dificuldades de aprendizagem diversas, com professores capacitados.

    Nossa filosofia é estimular e viabilizar a consciência crítica, o questionamento, a livre expressão de idéias e sentimentos; não nos preocuparmos apenas com a quantidade do que é aprendido, mas com a qualidade dessa aprendizagem. Não penalizar o erro do aprendiz, mas aceitá-lo como hipótese provisória a ser revistada e retificada. Não priorizar a memorização de dados, mas a percepção das regularidades dos sistemas, cuja compreensão é importante porque viabiliza a geração e dedução de novos fatos. Ter a sabedoria e a coragem de um João XXIII e de Paulo Freire de assumir a mudança, cuja necessidade já existe há muito tempo. Ter a seriedade de um Piaget, pautando nossas propostas em estudos e pesquisas contínuos. Ter a postura moderada e clara de quem acredita que o aluno de hoje precisa, sim, ainda, da Escola. Mas de uma Escola dinâmica, transformada e transformadora, que crie situações adequadas à reflexão, e que o conduza à compreensão dos sistemas interligados da cultura humana e não à simples citação de fatos isolados desta cultura; que acredite no seu saber, valorizando lhe as vivências anteriores e o estágio de desenvolvimento, com suas necessidades, limitações e possibilidades, que conheça e respeite seus medos e suas carências e o estimule à autonomia, à independência e à liberdade.